Anuncio_-_Tribuna_Zona_Leste_-_Alcoa_59_anos-portal.jpg


 

cam

SindiServ garantiu que não vai se intimidar e continuará na luta

Para o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais valeu a luta. "Mostramos a força da união dos trabalhadores que, mesmo sob ameaça do prefeito Sérgio, atenderam ao chamado do Sindserv nesta sexta", destacou o sindicato. Segundo a entidade sindical, foram aprovadas várias emendas feitas pela diretoria da entidade que representa os servidores, garantindo benefícios e melhores condições de trabalho para os futuros concursados e da forma como o projeto foi aprovado não afeta os servidores celetistas, ficando garantido também que os aposentados possam continuar trabalhando.

"Infelizmente, em relação ao plano de carreiras, as emendas propostas não foram aceitas sob a alegação de que alterações que envolvem gastos devem ser feitas pelo executivo", lamentou. No entanto, o sindicato garantiu que não vai se intimidar e continuará na luta para impedir retrocessos e garantir direitos aos futuros servidores nas negociações salariais.

"Temos o desafio pela frente de conciliar os benefícios que já temos dentro do regime celetista e avançar para as conquistas dos servidores estatutários. Esperamos a abertura de concursos públicos para corrigir disparidades, resolver a alternância de trabalhadores e acabar com a contratação de terceirizados", garantiu o Sindserv.

Oposição lamenta falta de justificativa

"Vereador votar quieto, sem justificar o voto, não tem condições. Preciso saber por que está acontecendo isso. Não tem como ficar votando no escuro e quieto sem explicação”, lamentou o vereador Tiago Braz, durante a votação das emendas ao projeto do regime jurídico dos servidores. "Da mesma forma eu não posso obrigar os vereadores a falar. A palavra está em aberto. Todas as emendas estamos dando direito para discussão", garantiu o presidente da Câmara, vereador Douglas Dofu.

"Mais uma vez não está sendo cumprido a lógica de que que todas as emendas seriam aprovadas na linha de redução de danos", lamentou o vereador Lucas Arruda quanto a algumas emendas rejeitadas pela bancada da situação, se referindo a reunião ocorrida na quarta-feira entre os vereadores e os representantes do Sindserv.

Em nome de Deus

O vereador Silvio de Assis, durante a votação das emendas, afirmou que não é de situação e nem de oposição e que vota sempre a favor do que é bom para o povo. Disse que o prefeito Sérgio Azevedo acha que é dono de todos e que tentou mandar nele. "Muitos usaram o nome de Deus para estar aqui, mas servem o homem e eu vim servir a Deus. Deus está vendo, Deus vê tudo, quem é cristão, servo de Deus sabe disso. Na hora que o gigante cair, o nome de Deus vai ser glorificado e muita gente vai cair junto", afirmou.

Furando bolhas

"Esse projeto traz um risco, insegurança, essa fala não é só minha, é de várias pessoas, inclusive ouvi de colegas dessa Câmara, de assessorias, pesquisei jurisprudência, decisões de tribunais e independente de qualquer coisa, esse projeto mexe com a vida de muitas pessoas", afirmou o vereador Diney Lenon, durante a votação do regime jurídico dos servidores. Segundo ele, o que se dizia é que o projeto não iria afetar a vida de quem já está na prefeitura, mas que havia propostas que afetavam.

"Gostaria de pedir a todos que guardem os nomes dos vereadores e é necessário furar bolha, porque não adianta, nós, servidores, sabermos do que aconteceu aqui se as bolhas de quem votar contra a gente não forem afetadas. Todo mundo conhece alguém da Igreja Universal e vai dizer como foi a postura do pastor Roberto. Todo mundo conhece alguém do esporte e vai falar como vai ser a votação do Paulista. Todo mundo conhece alguém da zona leste, que o Kleber diz que é o representante e a partir de amanhã vamos nos tornar 6 mil megafones, vamos nos tornar 6 mil panfletários", orientou Diney aos servidores, solicitando que levem à população o ocorrido na votação de sexta-feira, durante a reunião extraordinária da Câmara Municipal.

pcm

Ele foi prefeito de Poços de 2009 a 2012, vice-prefeito (1997-2004) e vereador por dois mandatos (1997 e 2004), sendo hoje diretor do Departamento Municipal de Água e Esgoto- DMAE. Na quinta edição da série “Especial Prefeitos”, a entrevista é com Paulo César Silva (“Paulinho Courominas”). Não perca o Hora! www.tvpocos.com.br

   EM OFF   

* Tudo indica que o Corregedor do legislativo municipal, vereador Marcelo Heitor (PSC), irá aplicar uma reprimenda no vereador Diney Lenon (PT), pelo seu comportamento nada elogiável na sessão extraordinária da última sexta-feira, quando da apreciação e votação do projeto de lei que estabelece o regime estatutário para os servidores da prefeitura.

* Pois bem, se fizer isso o Corregedor estará agindo corretamente tendo em vista que este não foi um episódio isolado proporcionado pelo polêmico vereador de oposição, que já ultrapassou limites em outras ações incompatíveis com o comportamento que deve nortear a postura de um vereador. Mas é bom que o Corregedor tenha a mesma atitude com o pastor-vereador Roberto dos Santos (Republicanos), que na mesma agiu de maneira inconveniente desrespeitou a servidora Ana Paula, ao ofender e pedir para que a senhora, que estava na plateia, se retirasse do local. O Corregedor não pode e não deve tomar atitudes diferentes, utilizando dois pesos e duas medidas, aliviando a barra do pastor pelo fato de se tratar de um evangélico.

* “Bancada dos mudinhos”, este foi o apelido que os vereadores da situação ganharam por terem se mantidos calados durante a discussão das emendas ao projeto. Fazem parte desta bancada os vereadores Marcelo Heitor, Ricardo Sabino, Regina Cioffi, pastor Roberto, Claudiney e Flavinho, Kleber Silva e pastor Wilson.

cmpc1

* A sessão foi longa e o clima de tensão permaneceu o tempo todo, inclusive com a invasão de servidores, resultando na necessidade de um cordão de isolamento feito por guardas municipais, que convenhamos, precisam de melhor treinamento para lidar com esse tipo de situação. A sessão foi suspensa várias vezes, uma delas provocada pelo vereador-pastor Roberto dos Santos que confundiu o legislativo com a sua igreja, pedindo que uma servidora se retirasse da plateia. O presidente Douglas Souza conseguiu levar a sessão até o fim, colocando em votação o projeto dos estatutários que estava paralisado há anos. Deve ter chegado em casa sem as unhas, mas conseguiu controlar o nervosismo.

* A aprovação do novo regime jurídico dos servidores municipais é mais um ponto positivo para a gestão de Sérgio Azevedo e como é servidor de carreira, quando retornar ao posto de engenheiro civil vai poder optar pelo novo regime ou continuar como celetista. Como prometeu que vai prestigiar os vereadores que votaram a favor do projeto, isso significa que os vereadores da sua base de apoio terão carta branca para agir nas secretarias e apresentar requerimentos com os mais diversos pedidos. Pelo outro lado, os cinco que votaram contra a proposta, pela lógica, terão as portas do executivo fechadas.

* Com várias cidades oferecendo transporte público gratuito, Minas Gerais reúne cerca de um quarto da lista de municípios com tarifa zero no Brasil até o fim de setembro deste ano. O estado acompanha uma tendência nacional de crescimento rápido na adesão ao modelo que exime o usuário da cobrança de passagens e altera os meios de financiamento dos ônibus municipais. Em todo o Brasil, são 83 cidades com tarifa zero. São Paulo e Minas lideram empatados.

* Os deputados Ulisses Borges e Odair Cunha responsabilizam o governador Romeu Zema e recorreram à Justiça contra a instalação de pedágio na BR 459. Na última quarta-feira, por meio de um mandado de segurança, buscam a suspensão da cobrança de R$ 9,20 no pedágio da rodovia. Por falar nisso, está agendada para esta quinta-feira, dia 26, na Assembleia Legislativa do Estado, uma audiência pública para debater a cobrança de pedágios na região do sul de Minas. A audiência foi sugerida pelo deputado Rodrigo Lopes (União Brasil).

* E por falar nele, o deputado estará em Poços nesta segunda-feira para ser entrevistado por Pedro Bertozzi, no Café Interativo, da Sulminastv. As 10h30m tem agendada uma visita ao gabinete do prefeito Sérgio Azevedo, para uma conversa e não deve ir acompanhado, conforme recomendação, já antecipada a ele, pelo alcaide de plantão. O deputado está trabalhando para estreitar o relacionamento com o prefeito de Poços, devendo convidá-lo a se filiar no União Brasil e vai informar que apresentará proposta para que o prefeito de Poços seja um dos homenageados pela Assembleia.

* A visita que o deputado de Andradas fará ao prefeito na manhã de hoje reúne um ingrediente que é de suma importância para o chefe do executivo. Antes de ser eleito deputado, o ex-prefeito de Andradas prestava serviço na assessoria parlamentar do senador Rodrigo Pacheco, com quem o prefeito de Poços hoje não mantém boas relações. Como amigo dos dois, o deputado pode fazer uma ponte junto ao senador para que as relações com o prefeito de sejam reativadas. Até porque, quem fez as bobagens que provocaram o rompimento não foi o prefeito e sim, Celso Donato, quando estava em campanha para deputado.

* Quem conhece política sabe que fazer campanha antes da hora pode despertar a atenção não só dos adversários, mas, principalmente de outros atores do mesmo grupo que tem a mesma pretensão. Pelo que estamos assistindo, o secretário de saúde Thiago Mariano está exagerando na dose ao deixar de lado suas atividades como secretário para postar, o tempo todo nas redes sociais, vídeos para enaltecer a si próprio, jogando confete prá cima para cair na própria cabeça.

* Como palanque para a próxima eleição, os vereadores Diney Lenon (PT) e Tiago Braz (Rede), souberam tirar proveito da sessão tumultuada que acabou aprovando o novo regime dos servidores municipais. Bem ou mal, jogaram para a plateia e com isso conquistaram a simpatia (e os votos) de muitos servidores que estavam presentes a reunião ou assistindo pela internet. Como oposicionistas desempenharam o papel que caberia a eles. Já os vereadores da base situacionistas ganharam pontos com o prefeito, mas ficaram mal com os servidores.

* O trânsito pelos lados da Avenida João Pinheiro, principal via de ligação da zona oeste com a área central, continua cada dia mais intenso e mais perigoso, já registrando vários acidentes no decorrer de apenas uma semana. A promessa do prefeito Sérgio, ainda no seu primeiro mandato de promover o alargamento das pistas e a revitalização da avenida não saiu do papel. De novo apenas a retirada das árvores na pista centro-bairro para dar maior visibilidade a estrutura do monotrilho, uma geringonça que mesmo entrando em operação, não vai aliviar o trânsito na avenida.

* Para piorar a situação, o pessoal responsável pelo trânsito não consegue sincronizar os semáforos que congestionam o fluxo de veículos nos cruzamentos e ainda temos as charretes movidas a tração animal que só servem para atrapalhar ainda mais o trânsito. A situação por lá está cada dia pior, é só olhar ao redor