reunia ordinaria

Reunião conjunta e alerta ao executivo

Em razão do jogo do Brasil contra a Sérvia, as comissões de Justiça, Finanças e Administração, da Câmara Municipal, que se reúnem todas as quintas-feiras, promoveram uma sessão conjunta, que foi presidida pelo vereador Lucas Arruda.

O projeto do executivo sobre doação de lote no Distrito Industrial para a implantação da empresa Gonçalves Cervejaria Artesanal Ltda, dentro do Programa Avança Poços, recebeu parecer favorável do relator, Lucas Arruda, no entanto, mais uma vez as assessorias técnicas da Câmara alertaram para um equívoco do Poder Executivo na opção em doar bem público em vez de preferir a cessão de direito real de uso, conforme prevê a Lei Orgânica do Município.

"A Comissão de Constituição e Justiça há tempos vem alertando sobre o erro em questão nos seus pareceres, o que tem sido ignorado pela administração e pode, em um futuro não tão distante, acarretar problemas sérios", alertou o relator.

Vereador faz questionamentos sobre atividades culturais

Atendendo reivindicações da população, o presidente da Câmara Municipal, vereador Marcelo Heitor, solicitou informações complementares do prefeito sobre a prestação de contas de projetos do município decorrentes das leis Aldir Blanc e Rouanet, com recursos do governo federal, para o auxílio emergencial da cultura nos anos de 2020 até 2022.

No documento, Marcelo pergunta quais os músicos beneficiados, quantas vezes, quais as entidades, estúdios, músicos e demais pessoas envolvidas no desenvolvimento de projetos que conseguiram o apoio através destas leis, entidade que trabalharam no desenvolvimento de projetos de captação de verba, quanto que foi arrecadado até agora, como é feito o processo de aprovação e quem é o responsável pelas aprovações. Marcelo pede também que sejam anexados os nomes dos beneficiados e o valor pago para cada envolvido.

No requerimento anterior, o vereador afirmou que munícipes relataram a ele que a Secretaria de Cultura tinha intenção de realizar um evento à parte na abertura do Julho Fest e ele pergunta se isso foi feito, se aconteceu um chamamento público ou outro edital de forma específica do qual toda a classe artística pudesse participar, concorrendo, inclusive, na composição da jingle. Pergunta por que os nomes de vários artistas participantes não foram informados na nota de empenho.

"Munícipes relatam um tratamento diferenciado para a empresa R.E.O Valias Produção Cultural. Quais os critérios utilizados para avaliar a empresa vencedora do projeto de abertura do Julho Fest, houve algum edital específico? Por que a empresa fechou contrato de R$ 23 mil no Julho Fest com três apresentações, sendo que as demais empresas locais tiveram que passar pelo edital do qual era facultado a cada proponente uma única proposta", questionou.

Marcelo questionou também qual o critério que foi utilizado pelo poder público na indicação de Ricardo Evandro de Oliveira Valias, proprietário da empresa R.E.O Valias Produção Cultural para ocupar uma cadeira no Conselho Municipal de Cultura. "Tais participações e a forma que o evento de abertura foi contratado não seria uma ampla e evidente ilegalidade? Houve uma prestação de contas desta contratação?", perguntou.

Iniciativa civilizada

O ex-prefeito e ex-vereador Paulo Tadeu D'Arcadia considerou uma iniciativa civilizada a ação do prefeito Sérgio Azevedo em convidar os ex-prefeitos para participarem das atividades dos 150 anos de Poços.

"Foi um momento muito bom. Pudemos conversar desde o momento da solenidade de hasteamento da bandeira, depois no café, foi uma conversa bastante descontraída e cumprimentei o prefeito pela iniciativa. Foi realmente um sucesso a reunião dos ex-prefeitos que ainda estão na ativa, se não na política, na vida", afirmou, ontem, em entrevista no programa Papo Sob Medida, da Master Web Rádio.

Paulo Tadeu lembrou que quando chegou ao evento havia um clima quase que solene, com um certo decoro, e ele descontraiu e brincou. "Levei um pouco na brincadeira para descontrair tanto o encontro na praça quanto no café", disse.

Questionado se seria viável a criação de um conselho com os ex-prefeitos para tratarem dos assuntos da cidade, Paulo Tadeu analisou que não funciona.

"Criar um conselho é como se criar uma estrutura que invadisse prerrogativas. Quando eu assumi, uma pessoa que eu consultava com uma regularidade, embora já estivesse bastante debilitado, era o Ronaldo Junqueira, porque logo depois que eu venci as eleições foi o primeiro ex-prefeito que me ligou cumprimentando e se colocando à disposição. Durante o tempo em que estive na prefeitura, eu ligava para ele com alguma frequência para tirar alguma dúvida administrativa e mesmo quando eu não tinha dúvida, criava um tema que pudesse conversar com ele para que se sentisse valorizado", disse Paulo Tadeu.

Encontro com ex-vereadora

Sobre o encontro que teve recentemente com a ex-vereadora Ciça, ex-candidata a deputada federal, e o questionamento de uma certa animosidade no PT durante as eleições, Paulo Tadeu respondeu que não dá para negar que houve alguns problemas na condução da campanha, sobretudo, pelo caminho que ela escolheu para ser candidata.

"Todas as vezes que eu fui perguntado sempre disse que era uma candidatura legítima, o caminho que ela buscou era estatutário, previsto, quem decide é a direção estadual. Isto criou um mal estar inicial, mas depois a realidade se impõe", declarou.

De acordo com ele, Ciça esteve na campanha de maneira firme, tanto no primeiro turno quanto no segundo, defendendo a candidatura do Lula. "Tínhamos nos encontrado durante a campanha e pessoalmente entre nós não há nada, nunca teve. Do ponto de vista político nós precisávamos clarear algumas coisas e clareamos já durante a campanha. Este café que tivemos dias atrás foi um reencontro. É hora de pacificar. Se é hora de pacificar a sociedade, é fundamental pacificar o partido", defendeu.

Paulo Tadeu disse que a Ciça está muito disposta a isto e foi uma conversa muito aberta e franca, como quando compartilhavam as responsabilidades na Câmara Municipal.

   CURTAS   

* Pela audiência e o número de participações, no programa Papo Sob Medida, ontem, quando esteve presente o ex-prefeito Paulo Tadeu (PT), deu para perceber que a oposição ganhou um novo gás com a vitória de Lula e o grupo de oposição ao governo municipal está animado, se preparando para as eleições de 2024. Como Sérgio Azevedo, vencedor das duas últimas eleições está fora da disputa, a animação é ainda maior.

* Pelos lados da situação, o presidente do União Brasil, Tiago Cavelagna, articula uma chapa tendo Tio Júlio como candidato a prefeito e Celso Donato na vice. O problema está em convencer o deputado eleito, Rodrigo Lopes, de que o vereador Douglas Dofu, seu representante em Poços ficará fora da chapa. Além do deputado estadual será preciso convencer também o deputado federal eleito, Rafael Simões, comandante da legenda na região e amigo de longa data de Glaucir Antunes, sogro do Dofu.

* Pela lógica, uma vez que a revitalização da Alameda do Bacon, que passará a se chamar Alameda Poços, prevê a retirada dos trailers de lanches, também deverá ser removido dali o vagão que serve como lanchonete, cuja permanência também fere a legislação municipal. Não faz muito tempo, alguém da administração sugeriu o aluguel do vagão para ser utilizado como bilheteria do teleférico. Seria ilógico, a prefeitura alugar algo que está ocupando o espaço público de maneira irregular.

* Pelo que se vê e ouve, a Secretaria de Cultura se transformou na bola da vez no que diz respeito a denúncias de irregularidades na liberação de recursos públicos. As acusações estão ficando cada dia mais pesadas e já preocupam até o presidente da Câmara, Marcelo Heitor, que apresentou dois requerimentos com pedidos de esclarecimentos ao comando do executivo. O músico Luciano Boca tem feito graves denúncias contra o titular da pasta e sua equipe. E pelo que se comenta em off, vem mais coisa cabeluda por ai.

* Como não será candidato à reeleição, Sérgio Azevedo decidiu aceitar o desafio e enfrentar os descontentes para colocar em prática alguns projetos do seu governo. Não está nem aí para as críticas e diz que também não venderá a alma para o diabo para eleger o seu sucessor.

* Falando nisso, uma postagem em um grupo de whatsapp, ontem, citou os nomes da advogada Salma Neder e da ex-ocupante de cargo na Sedet, Dilma Funchal, como representantes da ala feminina que poderiam disputar a próxima eleição com vistas ao comando da casa amarela. Salma, por sinal, tem o atual prefeito e seu colega de serviço na prefeitura, atravessado na garganta pelas críticas que sempre faz a atuação de seus antecessores.

* Vândalos voltaram a agir em pontos turísticos. Desta vez a ação ocorreu no Recanto Japonês, onde os marginais roubaram uma das maiores carpas do lago e não satisfeitos, ainda improvisaram uma churrasqueira, onde assaram e depois comeram o peixe, deixando vestígios no local. O fato pode ter ocorrido na noite de segunda-feira, mas só constatado na terça de manhã, na abertura do ponto turístico.

* Como o ponto turístico agora será privatizado, caberá ao concessionário promover a vigilância e a guarda do local. Até porque a Casa de Chá deverá ser reconstruída e se não houver monitoramento, o local continuará a ser utilizado pelos marginais e consumo de drogas, com risco de ser novamente destruída por um incêndio. 

Compartilhe!